Entradas populares

martes, 18 de septiembre de 2012

Édipo revisitado

Sófocles, (2009) Rei Édipo, Edições 70, Lisboa, 157 pp.

Muito mais do que uma recepção literária do célebre mito clássico sobre o governador da cidade de Tebas que matou o seu pai e casou-se com a sua mãe,o "Rei Édipo" de Sófocles coloca perante o público  a problemática da posição do indivíduo no mundo, a sua insignificância face ao destino e à vontade dos deuses, debruçando-se também sobre a transitoriedade do poder e da glória humana, a tragédia que surge por causa da inevitabilidade do cumprimento do oráculo, a culpa e a tentativa da justificação do erro cometido.
Embora hoje em dia o nome de Édipo se relacione muitas vezes com a vertente freudiana da psicanálise e com o fenómeno do "complexo de Édipo", esta personagem não é apenas um vulgar parricida que mantém uma relação incestosa com a  mãe, apresentada nesta obra com toda a complexidade da sua personalidade, com toda a justiça com que governa na cidadede Tebas, com todas as suas dúvidas e com todas as suas reflexões, que fazem com que ele não seja um herói perfeito e que ajudam a que se vejam melhor a sua vertente humana e a sua grandeza e miséria interiores.
Esta obra tem também uma grande força didáctica, ensinando-nos que "é que eu entendo,que o mal, se encontra um caminho justo, pode transformar-se num bem completo".Estaspalavras, ditas pela boca de Creonte, têm um efeito quase cristão, porque deixam sempre aberta a possibilidade da redenção e da correcção do mal.
Revelando uma grande saabedoria  sobre a transitoriedade dos bens terrenos e do lado negativo do poder,da glória e da riqueza, e do prestígio entre os homens, Édipo dirige-se a todos nós apelando á nossa consciência: "ó, riqueza, ó, poder, ó sabedoria acima do comum,nesta vida por cobiças agitada, como é grande a inveja que vos espreita".Nestacitação vê-se que Édipo recomenda um maior auto-conhecimento a todos os homens,implicando a ideia de que a modéstia e simplicidade do coração não fomentarão sentimentos mesquinhos nas almas humanas. O protagonista do drama reconhece também as tentações perante as quais se encontram os governantes e os poderosos, recomendando desta forma muita prudência e sabedoria ao assumir algum cargo na sociedade.
"Repelir um amigo honesto,entendo eu que éo mesmo que desperdiçar a própria vida que em cima de tudo nos é cara. Só o tempomostraa justiça de um homem, a sua perfídia basta um dia para a conheceres (p.94) Estas afirmações de Creonte são apenas algumas das grandes verdades sobre a condição humana, os seus vícios e virtudes que são verificáveis no tempo e que não permitem que se tirem conclusões precipitadas sobre ninguém. A importância da amizade, comparada com a da própria vida nesta obra é também uma das constantes do mundo cla´ssico, colocando a honestidade e a proximidade do outro ser humano  e nós num patamar muito alto. Trair esta ideia conduz ao sentimento trágico da vida humana e à sua profunda infelicidade.
" Assim, aos olhos dos mortais que esperam ver o dia derradeiro, ninguém pareça ser feliz, até ultrapassar o termo da vida,isentoda dor" (p.151).O que o coro anuncianeste fragmento do texto dramático é a transitoriedade da felicidade do indivíduo, dos seus méritos,das suas culpas, do seu heroísmo  ouda sua miséria, sendo todas estas características insignificantes perante a grandezadaeternidade eainevitabilidadedamorte.
Com uma apresentação crítica da apreciação do mito, da obra, das personagens e sobretudo de Édipo, com uma bibliografiaselecta e notas esclarecedoras, estaedição é de uma grande ajuda aos estudantes e aos que desejam aprofundar os seus conhecimentos da cultura clássica, fazendo com que se recupere e rehabilite um pouco a imagem deste grande herói trágico do mundo grego, sem secair na banalidade daenfatização da sua relação amorosa com a mãe, que foi apenas uma das razões da sua queda.



































.................