Entradas populares

jueves, 12 de septiembre de 2013

O mordomo resenha do filme

BEM-VINDOS AO APAIXONANTE MUNDO DE LETRAS PRECIOSAS E IMAGENS ENCANTADORAS, SEJAM LEITORES, OBSERVADORES, CRÍTICOS E PALAVRÓFILOS, LEIAM, LEIAM, LEIAM. MESMO QUE UM PROVÉRBIO POPULAR SÉRVIO DIGA QUE "A CABEÇA É MAIS VELHA QUE O LIVRO", ISTO É QUE O PENSAMENTO É MAIS ANTIGO QUE A ESCRITA, LEIAM, ISSO AGUÇA O ESPÍRITO, ENRIQUECE O VOCABULÁRIO E A ALMA, DESPERTA A CURIOSIDADE E FAZ VOS PALAVRÓFILOS CURIOSOS TAMBÉM...

Filme: O Mordomo
Género: Drama, biografia
Duração:132 min.
Com: forrest Whitaker, Oprah Winfrey, John Cusack, Jane Fonda, Cuba Gooding Jr. Robin Williams, Vanessa Redgrave
Realização: Lee Daniels
Uma história baseada em factos verídicos, inspirada na vida de Eugene Allen , americano negro que chegou a trabalhar na Casa Branca acompanhando o trabalho e as ideias de vários Presidentes americanos: desde Eizenhower até Regan e as mudanças de ideias oficiais em relação aos direitos da população negra nos Estados Unidos desde a discriminação absoluta, (a ida dos negros a escolas e igrejas separadas, lugares separados para negros e brancos nos cafés, casas de banho públicas) até ao direito dos negros a votarem, a terem o mesmo salário e a serem promovidos no trabalho, a serem congressistas e membros iguais das estruturas políticas, triunfando com a vitória de Obama, o primeiro Presidente negro.
com o nome alterado para as finalidades do filme (Cecile Gains) a personagem do mordomo conta paralelamente a sua história pessoal (que começa com o duro trabalho de um menino negro e da sua família nas plantações de algodão e a morte brutal do seu pai, através da sua posição de "preto da casa", criado numa pastelaria, nos melhores hotéis e finalmente na Casa Branca) e a história do desenvolvimento da nação americana. Tentando servir da melhor forma os Presidentes americanos, Cecile aprende a ser quase invisível nos salões, ouvindo todas as suas conversas e não reagindo a elas, mostrando-se leal e fiel, mas não subserviente ou subversivo. Ao mesmo tempo é marido de Glória, uma antiga criada de hotel e pai de Louis e Charles. Mesmo que aparentemente não esteja demasiado presente nas suas vidas e problemas diários, Cecile é um homem honesto, agradecido com o Estado americano, que tenta ensinar os mesmos valores aos filhos, o que nem sempre é fácil. O mais velho estuda muito, lutando abertamente contra as injustiças e discriminações raciais, chegando a ser preso várias  vezes. O mais novo tenta agradar sempre ao pai e não apresentar-lhe problemas em termos de comportamento. Por causa dos seus ideais vai para a guerra do Vietname, onde é morto. A morte do filho mais novo e o comportamento não aceitável do mais velho são apenas pontos de partida que fazem com que o mordomo questione os seus princípios e ideais e a reflectir sobre o propósito e utilidade da guerra. Interessante é também a cena da discussão entre os irmãos em que Charles refere que vai ao Vietname para lutar pelo seu país, criticando Louis por lutar contra ele. Após a morte do irmão, Louis chega a licenciar-se, levar uma vida exemplar e ser congressista, lutando desta forma  pelos direitos dos negros na América. Este filme coloca perante os espectadores várias questões: a possibilidade de uma sociedade melhor e mais tolerante com a diferença racial, o heroísmo, a educação correcta, o sacrifício, o individualismo, o orgulho, a gratidão, o poder (a nível individual e colectivo) e também questiona a América contemporânea e os seus valores: será ela um verdadeiro cenário de milagres em que tudo é possível até ter um presidente negro ou é tudo apenas uma propaganda bem-sucedida que esconde problemas sérios. A discriminação dos negros nos Estados Unidos continua a existir e é impossível erradicá-la, mas são indubitáveis algumas melhorias pelo menos no período entre 1952 e 1986, em que este mordomo trabalhou na Casa Branca. Altamente moral e entregue ao seu trabalho, Cecile Gains nunca utilizou a sua influência junto dos Presidentes para melhorar a posição do seu filho na prisão, nem para tirar qualquer proveito pessoal. Foi por isso que tinha sido uma das pessoas mais respeitadas entre todo o pessoal auxiliar. Uma vez convidado para uma recepção importante, sente toda a sua importância e nele nasce o dilema entre o gosto de servir e de ser servido, revelando a sua ambição, nunca usada no sentido negativo da palavra e sempre virada para o bem da nação americana.  A personagem central foi muito bem construída, tal como a da sua esposa, modesta, honesta e sempre fiel ao marido, que sonha com conhecer um pouco a vida despreocupada dos habitantes da Casa Branca, mas que está consciente do seu lugar, amando incondicionalmente o pai dos seus filhos independentemente do seu prestígio e poder.
Com um elenco magnificamente escolhido e uma excelente realização, uma banda sonora composta pelo português Rodrigo Leão e uma excelente qualidade de imagens, este filme é uma brilhante obra cinematográfica que merece a atenção do público.