Entradas populares

martes, 11 de junio de 2013

o grande dia

BEM-VINDOS AO APAIXONANTE MUNDO DE LETRAS PRECIOSAS E IMAGENS ENCANTADORAS, SEJAM LEITORES, OBSERVADORES, CRÍTICOS E PALAVRÓFILOS, LEIAM, LEIAM, LEIAM. MESMO QUE UM PROVÉRBIO POPULAR SÉRVIO DIGA QUE "A CABEÇA É MAIS VELHA QUE O LIVRO", ISTO É QUE O PENSAMENTO É MAIS ANTIGO QUE A ESCRITA, LEIAM, ISSO AGUÇA O ESPÍRITO, ENRIQUECE O VOCABULÁRIO E A ALMA, DESPERTA A CURIOSIDADE E FAZ VOS PALAVRÓFILOS CURIOSOS TAMBÉM...

 Filme: O Grande Dia

Género: Drama, comédia romântica

Duração: 100 min.

Realização: Justin Zackham

Com: Robert de Niro, Susan Sarandon, Diane Keaton

Don e Ellie são duas pessoas de meia-idade, divorciados há muito tempo, que têm dois filhos biológicos e um adoptado, Alejandro, originalmente de Colômbia. Quando o rapaz se decide casar, convida a sua mãe natural, a sua irmã e os familiares colombianos, apresentados como católicos fanáticos e retrógrados. Para satisfazerem a família biológica do seu filho, os protagonistas fingem estar juntos, como um casal feliz. Claramente, isso não resulta e descobrem-se muitos segredos e hipocrisias e aventuras amorosas escondidas durante muito tempo nas duas famílias.

É uma típica história de amor abundante em preconceitos e ignorância (Veneza é o sítio onde se fala a língua de Alejandro, as mulheres colombianas são todas apresentadas como conservadoras e atrasadas, é mau ser-se virgem). Este filme apresenta um choque de culturas demasiado simplificado: os americanos são os que têm a razão e os latino-americanos como hipócritas que detrás da sua insistência nos preceitos da Igreja Católica escondem a sua promiscuidade. É extremamente feia a imagem da irmã biológica de Alejandro que sem sequer saber o nome do rapaz sentado ao lado dela, lhe põe a mão dentro das calças, como também a ideia de que “em Colômbia não se necessitam os fatos de banho”, porque as raparigas nadam todas nuas. Cai-se também no clichê no desenrolar da situação em que o irmão adoptivo de Alejandro é profissionalmente realizado, virgem aos vinte e nove anos (por uma convicção romântica de encontrar o seu verdadeiro amor), que se recusa durante anos a ter aventuras com as enfermeiras do seu trabalho e com todas as outras raparigas que o procuram apenas para obrigarem-no a ceder, ao ver a bonita e apaionada colombiana esquece logo todas as suas ideias e vive com ela uma noite de paixão intensa. A final tudo se descobre, o pai de Alejandro casa-se com a sua amante de muitos anos (amiga da sua primeira esposa), Alejandro casa-se, o seu irmão também, a sua irmã adoptiva reconcilia-se com o marido ao saber que finalmente vai ser mãe e tudo se resolve como numa telenovela. O filme toca de uma forma bastante superficial nos assuntos da família, o casamento, o amor, a educação dos filhos (religiosa ou não), a virgindade (masculina e feminina), a amizade, a vida sexual, a confiança e não deixa perceber por que é mau ser-se conservador, guardar uma boa relação com os pais, por que é retrógrado acreditar em Deus, confessar-se e seguir uma convicção, como também não deixa saber por que é bom terem-se situações não-resolvidas dentro da família e viver-se com isso.

Além da excelente actuação dos três actores principais, o filme não tem muito mais a dar aos seus espectadores, além da ideia da amizade entre Ellie e a sua rival, que perdurou no tempo apesar de a primeira ter sido a esposa e a segunda a amante de Don. É uma de muitas histórias sobre os pais e sogros sem qualquer profundidade, embora um par de vezes se tenha intentado impingir ao público uma ou outra “frase sábia” sobre a vida e o amor e a aceitação do Outro.